Ouça as Rádios
Três Lagoas
Homem teria ainda, pressionado o rosto da vítima contra o volante do carro. Polícia Militar foi acionadaHomem teria ainda, pressionado o rosto da vítima contra o volante do carro. Polícia Militar foi acionada - Hugo Leal/JPNEWS

AGRESSÃO

Mulher é chamada para reatar namoro, mas ganha puxão de cabelo e chave de braço de ex

Crime ocorreu defronte o residencial ‘Orestinho’, após casal discutir dentro de um veículo

Por André Barbosa 12 OUT2017-15h:19

Uma mulher de 23 anos foi agredida a puxões de cabelo e ‘chave de braço’ pelo seu ex-companheiro de 31 anos, que havia marcado um encontro entre os dois, a fim de reatar o namoro. O crime aconteceu na frente do residencial Engenheiro Alessander, o ‘Orestinho’, em Três Lagoas, desta quinta-feira (12), segundo registro da Delegacia de Polícia Civil. A chamada ‘vias de fato’ foi atendida pela Polícia Militar.

Segundo a PC, após quatro dias do fim de seu relacionamento de quatro meses, a mulher foi chamada pelo ex-companheiro que dizia querer reatar o namoro. Ele teria sido ‘amavel’ e, em um encontro marcado às portas do condomínio, dentro do carro do homem, o casal começou a discutir. Ele teria dado partida no veículo dando a impressão de querer sair do local, mas ela não teria concordado e retirou a chave do contato. O agressor também pegou as chaves da casa da irmã da vítima. Ambos não se entenderam no intuito de devolução das chaves passando a se exaltarem.

A jovem saiu do carro e, segundo seu relato, teria colocado as chaves no teto do veículo e ao voltar para o interior do mesmo, a fim de reaver as chaves do apartamento, recebeu ‘uma chave de braço’ pelo homem. Ele teria pressionado o rosto da vítima contra o volante e ela, para se defender, teria mordido uma de suas mãos.

No registro da PC, conta que a dentada não causou lesão no agressor que, ainda lhe segurou pelos cabelos. Uma vez fora do carro, ela acionou o 190 e solicitou a presença de uma viatura da Polícia Militar no local.

Apesar do desentendimento, a jovem informou que não deseja representar criminalmente contra o autor, ficando orientada a procurar Delegacia de Mulher caso decida o contrário. 

Leia Também